A partir do século XVI, nos textos médicos, sobretudo nos de obstetrícia, encontram-se seqüências de imagens que representam o nascituro, o feto. Vistas hoje em ordem cronológica, aquelas representações deixam perceber a passagem de uma idéia “afetiva” da formação da vida no ventre materno para uma imagem científica e “verossímil”: mais ainda, delas emerge a construção da imagem social do feto como produto histórico e cultural, da qual a iconografia anatômica foi um importante vetor.

COMO NÓS ÉRAMOS. Nascituros e fetos na história: entre imagens e imaginário

PANCINO, CLAUDIA
2011

Abstract

A partir do século XVI, nos textos médicos, sobretudo nos de obstetrícia, encontram-se seqüências de imagens que representam o nascituro, o feto. Vistas hoje em ordem cronológica, aquelas representações deixam perceber a passagem de uma idéia “afetiva” da formação da vida no ventre materno para uma imagem científica e “verossímil”: mais ainda, delas emerge a construção da imagem social do feto como produto histórico e cultural, da qual a iconografia anatômica foi um importante vetor.
File in questo prodotto:
Eventuali allegati, non sono esposti

I documenti in IRIS sono protetti da copyright e tutti i diritti sono riservati, salvo diversa indicazione.

Utilizza questo identificativo per citare o creare un link a questo documento: http://hdl.handle.net/11585/59885
 Attenzione

Attenzione! I dati visualizzati non sono stati sottoposti a validazione da parte dell'ateneo

Citazioni
  • ???jsp.display-item.citation.pmc??? ND
  • Scopus ND
  • ???jsp.display-item.citation.isi??? ND
social impact