A excepção portuguesa e a soberania do crítico. Eduardo Lourenço e o ensaio como forma do trágico