Rastos que não se apagam: a pós-memória e a salvação do não vivenciado nos anos do autoritarismo