O espaço mudo da exceção: a revocalização do subalterno pela escrita literária